• Roberta Züge

Bem-estar animal: Pesquisadores desenvolveram um algoritmo para traduzir as vocalizações dos suínos

Assim como todos os demais animais, os suínos também são inteligentes, sendo capazes de sentir emoções como medo e dor, bem como prazer e felicidade. Eles podem transmitir essas emoções por meio de vocalizações, sendo capazes de reconhecer emoções graças a elas, permitindo que os criadores melhorem seu bem-estar.





Analisando esta informações, uma equipe de pesquisadores do INRAE, da Universidade de Copenhague e do Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Zurique (ETH) buscou traduzir grunhidos dos porcos. Os resultados de seu estudo intitulado “ Classificação dos gritos de porco produzidos desde o nascimento até o abate de acordo com sua valência emocional e o contexto de produção. foi publicado em 7 de março na Scientific Reports.


Os pesquisadores desenvolveram um algoritmo para reconhecer e distinguir as vocalizações dos porcos, as emoções que elas refletem e a situação que as gerou, a fim de ajudar os criadores na tomada de decisão.


Foram analisadas 7.414 vocalizações de 411 porcos de cinco laboratórios europeus. Estes sons foram registados em 19 situações diferentes: desde o nascimento dos porcos e ao longo da sua vida, em diferentes tipos de criação em recinto fechado (em piso ripado, sobre palha, etc.) e em matadouros.






Esses contextos podem ser fontes de emoções positivas (amamentação, reencontro com congêneres…) ou negativas (brigas, isolamento, castração, matança). Ao combinar a expertise de etólogos, bioacústicos para a análise detalhada da estrutura acústica de vocalizações gravadas (mais ou menos alta frequência, pureza de som, etc.) e métodos de inteligência artificial, os pesquisadores trabalharam na classificação automática de vocalizações de acordo com o valência (emoção negativa ou positiva) e a situação em que foram emitidos, com vistas a uma possível ação do criador.



Os resultados do estudo mostram que a inteligência artificial é muito eficiente em reconhecer não apenas as emoções expressas pelas vocalizações (precisão de 91,5%), mas também o contexto em que foram emitidas (precisão de 82%) . Ao receber um novo som emitido, o sistema irá automaticamente comparar com os sons já classificados anteriormente, para qualificá-lo.





Artigo


Elodie F. Briefer, Ciara C.-R. Sypherd, Pavel Linhart, Lisette M.C. Leliveld, Monica Padilla de la Torre, Eva R. Read, Carole Guérin, Véronique Deiss, Chloé Monestier, Jeppe H. Rasmussen, Marek Špinka, Sandra Düpjan, Alain Boissy, Andrew M. Janczak, Edna Hillmann, Céline Tallet, Classification of pig calls produced from birth to slaughter according to their emotional valence and context of production, Scientific Reports, DOI : 10.1038/s41598-022-07174-8.

24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo