• Roberta Züge

Alemanha identifica aumento de casos de brucelose.


Estudos conduzidos pelo Instituto Robert Koch descobriram que os produtos lácteos não pasteurizados eram a principal fonte de infecção e a maioria dos casos envolvia viagens ao exterior.


Os pesquisadores analisaram informações demográficas, ambulatoriais, clínicos, laboratoriais e de exposição de casos sintomáticos de brucelose confirmada por laboratório, informados de 2006 a 2018. Os resultados foram publicados no International Journal of Infectious Diseases .




Nesse período de pesquisa, foram notificados 408 casos na Alemanha, dos quais 75% foram associados a viagens. As notificações anuais atingiram o pico em 2014, com 47 casos, quando se comparado com os anos entre 2006 e 2013, quando os relatórios anuais variaram de 18 a 28.


Asilados foram responsáveis ​​por nove dos 44 casos em 2015 e 15 das 36 infecções em 2016. Os produtos lácteos não pasteurizados foram mais frequentemente relatados como a fonte da infecção.


A brucelose é enfermidade de notificação obrigatória de acordo com a Lei de Proteção contra Infecção da Alemanha. Era endêmico na Alemanha até os anos 80, mas o país foi declarado oficialmente livre de brucelose bovina, ovina e caprina em 2000, após um forte trabalha sanitário.


Destes casos identificados, a Brucella melitensis foi a espécie mais comumente isolada de 180 de 197 com informações, seguida de Brucella abortus para 16 pessoas e Breucella suis em um caso.


Os casos ocorreram em todas as faixas etárias e ambos os sexos foram igualmente afetados com a maior incidência específica por idade em mulheres de 60 a 69 anos e a menor em crianças menores de 10 anos. Treze mortes foram atribuídas à brucelose, de acordo com informações do monitoramento federal da saúde em 2006 a 2016.


A febre foi o sintoma mais comum, seguido de artralgia e exaustão, dor de cabeça, perda de apetite e suores noturnos. Dos 393 casos com informações, 272 foram hospitalizados. O tempo médio entre o início dos sintomas e a notificação foi de sete semanas e meia. Comparando a incidência entre solicitantes de asilo e não solicitantes de asilo em 2015 e 2016, o primeiro teve um risco 28 vezes maior de brucelose.


Dos 371 casos com informações sobre o local de exposição, 75% relataram viagens ao exterior antes da doença; principalmente para o Oriente Médio, incluindo 182 para a Turquia, seguidos de 55 para a Europa, 21 para a Ásia, excluindo o Oriente Médio e 18 para a África.


Exceto pelo pico em 2014, a proporção de casos expostos na Turquia diminuiu ao longo do tempo, com uma baixa de dois em 2016, mas aumentou novamente em 2017. Em 2015, países do Oriente Médio que não a Turquia se tornaram a região de exposição mais importante, principalmente devido para casos entre requerentes de asilo que chegam da Síria e do Iraque, mas foram superados novamente pela Turquia em 2018. Os países europeus têm sido cada vez mais relatados como local de exposição desde 2017.


Em 136 casos, pelo menos uma fonte provável de infecção foi identificada, além das viagens ao exterior. Um total de 104 teve produtos lácteos não pasteurizados. O queijo e o leite cru são mais comumente originários da Turquia. Um total de 47 casos houve contato com gado, como ovelhas e cabras, e 11 pessoas consumiram ou prepararam carne fresca, como cordeiro.


O estudo constatou que os produtos lácteos importados parecem desempenhar um papel na brucelose na Alemanha, mas os fatores de risco na ausência de viagem não são bem compreendidos e precisam ser mais investigados.


Dos 94 casos que supostamente adquiriram brucelose na Alemanha, 29 indicaram pelo menos uma provável fonte de infecção. Para a maioria, nenhuma fonte de infecção foi registrada. Doze consumiram alimentos importados, principalmente queijo não pasteurizado do Iraque, Itália e Turquia. Três casos tiveram queijo não pasteurizado comprado na Alemanha e 11 pessoas foram expostas ocupacionalmente.


Os pesquisadores disseram que as pessoas que viajam para países endêmicos devem ser avisadas sobre fatores de risco e sintomas da doença.


“No período de estudo, as notificações de brucelose aumentaram e a epidemiologia na Alemanha mudou em resposta à migração de países endêmicos da brucelose, mudança nos padrões de viagem e mudança na epidemiologia da brucelose nos países que são frequentemente visitados por pessoas que vivem na Alemanha. Em pacientes sem viagens ao exterior, médicos e agentes de saúde pública devem perguntar sobre o consumo de carne importada e produtos lácteos não pasteurizados. ”


Só para relembrar que pasteurização foi o método criado por Louis Pasteur, em 1864. Depois, no final do século XIX, outro pesquisador, o Franz von Soxhlet propôs que o procedimento fosse realizado em leite in natura, comprovando que o processo era eficaz para a destruição das bactérias patogênicas.


#leite #qualidade #zoonose #contaminação #veterinária

0 visualização